Garrafas de Plástico alteram mercado da embalagem

As garrafas de plástico têm grandes oportunidades de penetração nos mercados da embalagem – conclui a Applied Market Information Ltd, (Bristol, Reino Unido) na sua mais recente pesquisa. No relatório “Growth opportunities for blow moulded bottles in Europe”, os investigadores da AMI encontraram razões de optimismo para os fabricantes de garrafas, especialmente de PET: o potencial latente das garrafas de PET barreira para cerveja, vinho e leite equivale à actual dimensão do mercado dos refrigerantes carbonatados – cerca de 1 milhão de toneladas de PET na Europa, em 2009.

O vidro atingiu os seus limites em termos de redução da espessura e duvida-se que que possa evoluir ao encontro das necessidades do mercado, diz a AMI. A enfase crescente na pegada de carbono do fornecimento de embalagens e da gestão do ciclo de vida deverão representar uma vantagem competitiva para a embalagem de plástico. Em especial, o PET vai afirmar-se com uma combinação cada vez mais convincente de sustentabilidade, desempenho técnico e estética, e que se poderá traduzir na conquista de mercados e aplicações onde praticamente não tem sido usado. A AMI prevê que a procura de garrafas de plástico (até aos 5 litros) deverá continuar a crescer ao ritmo de 2% por ano durante os próximos cinco anos. Esta evolução dever-se-á sobretudo ao PET.

O potencial nos mercados da cerveja e das bebidas alcoólicas é destacado pela AMI, que estima o grau de penetração actual em apenas 7% nos referidos mercados. O interesse e a aceitação do PET nestes mercados está a crescer, devido à melhor economia na produção de garrafas, aos estudos de ciclo de vida favoráveis e à ênfase crescente na redução de peso.

Também se esperam oportunidades no mercado alimentar, onde as garrafas de plástico ainda têm um logo caminho a percorrer para vender os obstáculos colocados pelo enchimento a quente, pelas linhas de enchimento a alta velocidade que actualmente existem para os frascos de vidro e para as embalagens Tetra Pak. Em todo o caso, a embalagem PET tem evoluído nos últimos meses, com investimentos nas tecnologias de enchimento asséptico, de produção de garrafas barreira mono-camada e também na área da reciclagem. Espera-se, por exemplo, que a embalagem PET surja no mercado dos doces e compotas, esperando-se, para os próximos cinco anos, a aparição no mercado de garrafas "squeezzable" (apertáveis).

image

   Grau de penetração das garrafas de plástico, por mercado, em 2009

>Os mercados das águas minerais e de mesa e dos detergentes de uso doméstico são os que registam um grau de penetração mais elevado por parte das garrafas de plástico: mais de 90%. Nestes mercados, as tendências a apontar são a concorrência entre materiais, o aumento da reciclagem de PET e o ganho de mercado do PET no sector dos detergentes domésticos, devido à diferença de preço entre o PET e o PEAD.

Apesar de as perspectivas serem prometedoras, o contexto de negócio ainda colocada dificuldades aos produtores de matérias-primas e às indústrias transformadoras (produtores de embalagens), um pouco por toda a Europa. O ponto crucial para os embaladores e engarrafadores é o fornecimento com eficiência de recursos, a preferência por soluções de produção on site, nas suas  diversas variantes: fornecedor de garrafas implantado no local (HTW, hole trough the wall), auto-produção e extrusão-estiragem sopro de pré-formas. Isto condiciona a capacidade dos produtores tradicionais para acrescentar valor, enquanto para os produtores de matérias-primas o negócio é cada vez mais de commodities, e fortemente pressionado pela concorrência dos materiais importados da Ásia do Médio Oriente.

A natureza competitiva deste negócio tem conduzido à consolidação, que abrange toda a cadeia de fornecimento. Os dez maiores fabricantes de garrafas produziram em 2009 cerca de um terço do total de garrafas produzidas.

A Alpla é o líder de mercado no fornecimento de embalagens produzidas por extrusão-sopro, de pré-formas e de serviços HTW. Em 2009, as compras de polímeros da Alpla ultrapassaram meio milhão de toneladas para o mercado europeu, onde detém uma quota de 10%. A empresa construiu a sua posição investindo numa rede de operações de extrusão-sopro implantadas junto dos clientes. O mesmo se passou com outros grandes grupos produtores de embalagens de plástico detalhados no relatório da AMI, tais como Logoplaste, Serioplast, Nampak Plastics Europe and Graham Packaging. No sector das pré-formas e garrafas, a AMI destaca como líder a Artentius PET Packaging, que adquiriu o negócio europeu da Amcor PET business em 2007.