Termoformagem de Alta Performance

image A participação da ILLIG (Heilbronn, Alemanha) na K 2010 servirá para mostrar a tecnologia mais recente para termoformagem de embalagens. Duas linhas de termoformagem operando a partir de bobina serão demonstradas em operação, com máquinas e moldes de 3ª geração das séries RDK e RDM-K. As máquinas automáticas RDK para moldação e corte destinam-se ao fabrico de produtos como embalagens para suspender, tabuleiros ou tampas. As máquinas da série RDM-K são predominantemente utilizadas para a termoformagem de copos de todos os formatos e dimensões, utilizando moldes multi-cavidade. Em comparação com os precedentes, os novos sistemas aumentam a cadência de produção  em mais de dois dígitos, melhoram a qualidade dos dos produtos e reduzem o consumo de energia.

 

Na linha RDK 90, a versão maior das máquinas automáticas de moldação por pressão, tem uma largura de processamento de 900 mm e comprimento de 700 mm, e produz tabuleiros para alimentos frescos, processando APET com molde de 18 cavidades e velocidade de 55 ciclos por minuto. A máquina RDM 70K produz, com uma área de moldação de 680 x 300 mm², produz copos para iogurtes também em APET, com molde de 27 cavidades. Em ambos os casos, o equipamento downstream está capacitado para as elevadas cadências- 50 000 tabuleiros e 70 000 copos. A linha RDK 90 está equipada  com sistema duplo de manipulação para remover e empilhar os tabuleiros. Na linha RDM-K, o manipulador tem um dispositivo oscilante a 180 graus. Projectado para uma velocidade até 45 ciclos por minuto, este dispositivo permite que os copos tenham o tempo de arrefecimento para garantir o empilhamento adequado.

Servo-motores e conceito de controlo

O uso dos servo-motores  para todas as sequências de movimento é um dos pré-requisitos para a alta velocidade em termoformagem. Os servo-motores são operados de modo a economizar energia, a garantir velocidade e precisão de posicionamento e também a sobrepor movimentos de modo a economizar tempo. O elevado dinamismo na sequência de formação e diminuição de pressão é outro elemento decisivo para o aumento da produtividade comparativamente às máquinas da geração anterior.
Na linha RDM-K, o factor decisivo reside nos moldes de 3ª geração. Estes moldes operam com menos 75% de ar por cavidade e isto permite aumentar a velocidade pelo menos em 30%. Por outro lado, também se atingiu um nível de qualidade das peças, em termos de uniformidade geométrica de todos os copos, sem precedentes na termoformagem com moldes multi-cavidade. Graças a estes aspectos, a redução de peso e a consequente economia de material até 10% são possíveis sem comprometer a uniformidade dimensional ou a estabilidade dos copos.
O novo conceito "ILLIG ThermoLineControl" foi projectado pela primeira vez para as linhas RDK-90 e também pode ser implementado nas linhas RDM 70K, como se verá durante a K 2010. Todos os dispositivos que fazem parte da linha de produção, desde a bobina de material até aos dispositivos de arrefecimento, podem ser geridos e operados centralmente pelo controlo da termoformadora. Para além de aumentar a comodidade para o operador em termos de gestão de dados operação e visualização do processo, o novo conceito também reduz os tempos de mudança de formatos e moldes. Deste modo , o  ThermoLineControl combinado com os as altas velocidades da actual geração de máquinas contribuem para aumentos consideráveis da criação de valor. 

image

Eficiência energética

Os servo-motores aumentam a produtividade e contribuem para a economia de energia. A energia gerada no próprio sistema, por exemplo, pela travagem dos accionamentos é recuperada para outros accionamentos ou cargas, como os aquecedores de infra-vermelhos. Dependendo do tipo de máquina e dos accionamentos, a economia de energia pode chegar aos 20%.
O tópico da economia de energia é especialmente complexo na área da termoformagem em que 10 a 15% de toda a energia é requerida para o processo de termo-moldação. entre outros, são relevantes os seguintes factores: tipo e uso de elementos aquecedores de infra-vermelhos, requisitos energéticos dos sistemas de controlo e arrefecimento e, para as máquinas automáticas alimentadas a partir de bobina, a energia necessária para a gerar o ar comprimido. A interacção entre estes aspectos vai estar em evidência no stand da ILLIG na K 2010, onde será possível constatar que a elevada velocidade e produtividade em termoformagem é compatível com níveis de consumo de energia que economizam custos operacionais. Em comparação com os modelos precedentes, as novas linhas consomem menos cerca de 50% da energia.