PEBD inicia recuperação

image "A tendência para substituir o PEBD por outros polímeros está de novo a diminuir nos países industrializados" – diz Oliver Kutsch, da Ceresana Research. "Existem oportunidades para o PEBD em aplicações como os revestimentos e a embalagem de produtos médicos. Estas aplicações vão recuperar mais rapidamente dos efeitos da crise económica".

Os preços do PEBD chegaram a baixar 30% em algumas regiões durante 2009, e a Europa Ocidental e a América do Norte registaram consideráveis reduções da procura. Consequentemente, o negócio global caiu 15,9 mil milhões de euros. No entanto,  Ceresana Research prevê o regresso ao crescimento em 2011. A região Ásia Pacífico, que já é a maior consumidora de PEBD, vai crescer e reforçar a sua quota no consumo global para 39%. A produção de PEBD expandir-se-á mais nos países ricos em petróleo do Médio Oriente: estão previstos aumentos de capacidade de aproximadamente 3,5 milhões de toneladas até 2014. A Arábia Saudita, o Qatar, o Irão e outrps países da região vão tornar-se os maiores exportadores de plásticos a nível mundial.
O relatório multi-cliente "Market Study: Polyethylene – LDPE", recentemente publicado pela Ceresana Research, fornece uma panorâmica concisa sobre a informação mais importante sobre o PEBD, ao longo de 870 páginas, incluindo fabricação, questões regulamentares e reciclagem. O mercado do PEBD é analisado em detalhe, com previsões até 2016 relativas a produção e capacidades, consumo por áreas de aplicação, importações e exportações, com dados mundiais, por cada uma das sete regiões, e em detalhe de 67 países, com maior profundidade de análise para os 12 países de maiores rendimentos. Inclui ainda o perfil de 87 empresas produtoras de PEBD. Para mais informação, CLICAR AQUI.