Moldes: experiência e know how

O XXVII SEMINÁRIO DE PLÁSTICOS culminou com uma mesa redonda com três gestores da indústria de moldes: o Comendador Leonel Costa, da LN Moldes, o eng. Joaquim da Silva Paulo, da Iberomoldes e o Eng. João Futino, da T.J. Moldes.

Em 2010, as exportações de moldes ascenderam a 267 milhões de euros. 72% da actividade está orientada para o sector automóvel. Nos últimos anos, o modelo de negócio alterou-se completamente. “Os moldes têm ciclos longos e não estamos a receber dos nossos clientes em prazos comportáveis. É um problema grave, que vem juntar-se à crise europeia, à falta de crédito, à concorrência internacional, etc.” – disse Leonel Costa. Como aspectos positivos, destacou a vocação e experiência exportadora, a capacidade de engenharia, o know how instalado, a capacidade de projecto e de resposta e a evolução para o serviço completo, agregando a produção das peças e a montagem à fabricação de moldes.

O Plano a 10 anos que a indústria de moldes traçou e colocou em execução, prevê a consolidação da implantação no sector automóvel, a par com a aposta no desenvolvimento de novas áreas com elevado potencial, como é o caso da embalagem e da aeronáutica. Váreas empresas já estão certificadas para fornecer a Embaer.. “Temos experiência, temos capacidade, temos know how – podemos dar um contributo válido para as indústrias de alta exigência” – referiu  propósito o comendador Leonel Costa.

A área dos artigos médicos é outra das áreas a desenvolver como mercado para as indústrias de moldes.