Crescimento dos filmes agrícolas

O primeiro relatório da AMI (Applied Market Information) estima o mercado europeu dos filmes agrícolas em 2 mil milhões de euros e mais de 50 mil toneladas de filmes/ano. Nos últimos 60 anos, a produção agrícola e a produtividade aumentaram significativamente e os filmes plásticos para forragens, cobertura de solos e estufas contribuíram significativamente para essa evolução. O uso de filmes plásticos generalizou-se no sector hortofrutícola, tal como no sector da carne e dos lacticínios, contribuindo para aumentos significativos do rendimento nas actividades agrícola e pecuária. Os filmes plásticos também permitiram aumentar as áreas de cultivo, as estações de crescimento e a localização de várias culturas, graças aos filmes de cobertura dos solos e de estufas.

As empresas que operam neste sector debatem-se com desafios e tendências conflituantes. Por um lado, o aumento da população e do consumo per capita de calorias aumenta a procura de alimentos; por outro lado, as explorações agrícolas estão a decrescer em área e em número. Os filmes contribuem indubitavelmente para aumentar a eficiência e a produção mas, por outro lado, as preocupações com a gestão de resíduos causam um interesse crescente pelos filmes biodegradáveis. Nas áreas com diminuição da continuidade da actividade pecuária e leiteira, regista-se declínio dos filmes para forragens. Noutras áreas as culturas de biomassa podem criar novas oportunidades de negócio. As mudanças climáticas podem estender as estufas para norte. Os utilizadores actuais, tendem a procurar filmes mais duráveis, para reduzir custos.
Actualmente, o impacto global destas várias tendências tem como resultado um mercado com crescimento muito limitado mas com oportunidades para desenvolver filmes com melhor desempenho em termos de propriedades barreira, térmicas, visuais ou foto-selectivas.
O mercado dos filmes agrícolas é sobretudo mediterrânico, com a Espanha e a Itália na liderança, especialmente no consumo de filmes para cobertura de solos e estufas. A longo prazo, no entanto, a procura de filmes agrícolas vai registar maiores taxas de crescimento nos países do norte da Europa, onde as mudanças climáticas vão melhorar as condições para a agricultura e onde a pressão para maiores rendimentos se traduzirá num aumento da procura de filmes.

CONSUMO D EFILMES AGRÍCOLAS NA EUROPA, POR PAÍSES
Itália                21%
Espanha        20%
Alemanha      11%
Reino Unido    7%
Escandinávia   7%
Benelux             6%
França              5%
Polónia             3%
Outros UE        5%
Outros             11%

Os filmes para forragem são o maior segmento, representando quase metade do mercado europeu. Reparte-se, em quotas praticamente iguais, pelos filmes de envolvimento estirável e pelos filmes para cobertura de forragens. O consumo de filmes para estufas representa cerca de 30% do mercado, subdividindo-se em  estufas convencionais, macro-túneis, túneis baixos e ainda as coberturas flutuantes/directas. Os filmes de cobertura representam os remanescentes 25% do mercado total dos filmes agrícolas na Europa. Neste segmento, é expectável uma diminuição do mercado, provocado pela substituição por filmes biodegradáveis e também pela redução de espessuras (nos casos em que
e viável).
Os dez maiores produtores de filme agrícola representam mais de metade da produção total na Europa. No segmento das estufas predominam os produtores mediterrânicos, como Armando Alvarez, Agriplast, Eiffel e Plastika Kritis. Os fabricantes nórdicos, como Trioplast, Rani Plast, BPI, RKW e Hyplast ocupam-se mais dos filmes para forragens e para coberturas.
Para além da actividade de consultoria na área dos filmes agrícolas, a AMI também organiza uma conferência anual para esta indústria.  A próxima terá lugar em Espanha, em Novembro de 2012.