Plásticos em África

A AMI (Applied Market Information Ltd.) publicou a sua primeira base de dados de transformadores de plásticos em África, contendo contactos e informação de produtos de 776 fábricas. O mercado africano consome cerca de 8 milhões de toneladas de polímeros e deverá crescer 8% ao ano até 2018, pelo que é uma região de interesse. O estudo da AMI incide sobre 10 processos de transformação, incluindo injecção, extrusão e composição, em 19 países.

A maior fatia do sector transformador (50%) é representada pelos fabricantes de embalagens para alimentos, seguindo-se o subsector do fabrico de tubos (20%). Cerca de 97% dos plásticos transformados em África são commodities. O PE é transformado em 82% das fábricas, o PP é transformado em 44% e o PVC em 23% das fábricas listadas na base de dados da AMI.

Mais de metade das fábricas referenciadas está equipada com máquinas de injecção e os artigos domésticos são o principal grupo de produtos, fabricados em 35% das fábricas.  As empresas diferem em dimensão e em produtos, mas têm um ponto comum: na sua grande maioria fabricam para vender. Quase 80% das fábricas de injecção e de sopro fabricam para clientes e a moldação in house ainda não é significativa.

A grande maioria dos transformadores de plásticos são empresas privadas ou parte de grupos empresariais africanos. Os grupos Nampak (África do Sul), Sona (Nigéria), Flame Tree (Quénia) e ENPC (Argélia) estão entre os maiores grupos que operam várias fábricas. Alguns grupos internacionais investiram em África, sobretudo grupos europeus que trabalham para o sector automóvel ou grupos dedicados à embalagem no Norte de África, uma região que oferece baixos overheads, uma força laboral disponível e uma posição geográfica favorável para exportar para a Europa. A base de dados da AMI também inclui detalhes de fábricas africanas de grupos como Nexans (França), El Sewedy (Egipto), Bericap (Alemanha), CFAO (França), Clariant (Suiça) e EXCO Automotive (EUA).

imageA base de dados abrange 19 países, sendo a África do Sul o que conta com maior número de fábricas neste continente, representando cerca de um quarto do total de fábricas listadas, as quais estão mais avançadas do ponto de vista técnico e logístico. O Egipto está em segundo lugar em número de fábricas, enquanto Marrocos e a Argélia contam com empresas transformadoras desenvolvidas. Na região leste, destaca-se o sector de plásticos do Quénia e também a Etiópia como base para esta indústria. Na região oeste, destaca-se a Nigéria.