LOGÍSTICA LEAN

Rui Marques, da Actio Consulting, sintetizou para os participantes no XXXI SEMINÁRIO DE PLÁSTICOS, os princípios e métodos “lean” aplicados à logística. O lean é um sistema de melhoria contínua das operações orientado para o cliente capaz se simultaneamente melhorar a qualidade, o custo, o prazo num ambiente de segurança e motivação dos trabalhadores. Pode aplicar-se à produção e à logística.

image

Nesta comunicação, foram inventariadas as modalidades de desperdício: produção em excesso, esperas, transportes, movimentos supérfluos, desperdício no próprio processo e a gestão das falhas de qualidade (produtos não conformes). No contexto competitivo actual, as empresas devem ser capazes e produzir quantidades cada vez mais pequenas em prazos cada vez mais curtos, o que tem implicações na logística de abastecimento. Em vez do abastecimento interno baseado em empilhadores, grandes volumes e poucas referências, espaços de armazenagens intermédias, frequências baixas e irregulares, rotas tipo spaghetti, etc., torna-se necessário reorganizar a logística interna com as características opostas. A distribuição interna deve ser regular, periódica, com grande diversidade de produtos, pequenos volumes, com retorno de embalagens vazias, sem cruzamentos, sem empilhadores e de modo sincronizado com os planos de produção. O mesmo “comboio” com a mesma rota,abastece, recolhe em embalagens vazias, resíduos e produtos acabados. Não há viagens em vazio. A logística lean aumenta a produtividade e a segurança.
Segundo Rui Marques, a produção lean pode não produzir os resultados esperados se não for completada com a logística lean.
A logística lean pode libertar mão-de-obra na produção, alocando-a para as tarefas de intralogística com elevada frequência. Algo de semelhante pode suceder com a ocupação do espaço.
A comunicação privilegiou a intralogística. Na fase de debate, foi referida a necessidade, frequente na indústria de plásticos, de articulação logística com os clientes.