A eficiência energética dos sistemas de bombeamento

​A energia continuou na ordem do dia com a apresentação de Bruno Pinto Carmo, da Grundfos, sobre eficiência energética em sistemas de bombeamento. Se todos os sistemas de bombeamento fossem equipados com bombas de alta eficiência energética, o consumo global de energia elétrica teria uma redução na ordem de 4%, suficiente para fornecer a energia necessária para mil milhões de pessoas.

No custo global de um bomba, o custo de aquisição pesa 5%, o custo de energia 85% e a manutenção e reparação 10%. Esta repartição deve ser tida em conta na avaliação do investimento em sistemas de bombeamento e também na decisão de  atualização de sistemas existentes. 

A Grundfos, para além da comercialização de equipamentos, desenvolveu um modelo de negócios que inclui relatórios de “Energy Check” como ferramentas de apoio à decisão dos clientes. Nesta área, a Grundfos tem uma parceria técnica com a Fluxoterm.
No seguimento da sua apresentação, Bruno Carmo referiu detalhes sobre os vários tipos de equipamentos de bombas e sistemas de bombeamento, na ótica da eficiência energética.

Para concluir, apresentou um caso de estudo em que foi possivel reduzir o consumo energético e o custo inerente, com um sistema de caudal variável (variador de velocidade e controlador) que assegura a adaptação às necessidades reais em cada momento (número de máquinas servidas pelo sistema).