Conferência AMI sobre Aditivos para Poliolefinas

imageAs poliolefinas lideram os mercados globais de plásticos comuns em volume e em diversidade de aplicações e funções. Noru Tasalic, da AMI Consulting vai sublinhas as tendências de mercado na próxima conferência internacional sobre aditivos para poliolefinas e sobre produção de compostos. A conferência vai realizar-se nos dias 20 a 22 de Outubro, em Colónia, Alemanha.
Os tubos de polietileno continuam a ganhar quota de mercado no sector da construção, os filmes agrícolas estão a mudar a produção nas regiões áridas, o polipropileno é cada vez mais usado na produção de embalagens,maximizando a protecção de alimentos e minimizando os resíduos, e no sector automóvel, as poliolefinas continuam a reduzirpeso e a substituir metais. As diferentes propriedades do PE e do PP são obtidas através da selecção criteriosa dos graus, aditivos, reforços e métodos de processamento. A A. Schulman está a rever o modo de produzir compostos de PP de modo a obter determinadas propriedades e a Lummus Novolen Techniology estudou a forma de obter funcionalidades avançadas para o PP. Existem actualmente várias utilizações de compostos de PP em larga escala, especialmente bno sector automóvel e a Leistritz Extrusionstechnik tem novo equipamento para aumentar a escala do processo de composição, enquanto a Automatik Plastics Machinery disponibiliza tecnologia de topo para a peletização.

A Polykemi (Suécia) desenvolveu um PP reforçado com talco para reduzir o peso em aplicações auto. Para aplicações interiores, a Sinopec (China) estudou formulações de aditivos para minimizar as emissões de COVs (compostos orgânicos voláteis) do PP. Para aplicações exteriores, a Croda focou a sua atenção nos aditivos destinados a assegurar a resistência ao risco. A Kaerntner Montanindustrie fornece minerais funcionais que também podem ser usados para melhorar a resistência ao risco, juntamente com a redução da deformação e com o reforço. Este ano, há também novos desenvolvimentos em minerais, incluindo uma nova pirofilite da Trinity Resources (Canadá).

A conferência da AMI vai juntar especialistas da indústria para debater os compostos e resinas para um vasto leque de aplicações, desde os cabos até aos filmes de embalagem. A Kabelwerk Eupen vai descrever os desenvolvimentos recentes em retardantes e a Cytec vai debruçar-se sobre os estabilizantes, que são críticos para aplicações no sector da construção. A Borealis Polyolefine vai examinar o modo de gerir as propriedades óticas dos dfilmes transparentes através de uma composição criteriosa. Aditivos poliméricos como os ionómeros podem melhorar os compostos, como ´+e o caso dos produtos da Cray Valley e da Arkema. Este ano, haverá um foco especial na estabilização, que assegura durabilidade e melhoria de desempenho. A BASF reviu os estabilizantes para usos específicos, a DDover Chemical desenvolveu novos estabilizantes poliméricos-fosfite libres de alquilfenol e a Addivant tem novas soluções para PELBD. Na Ásiam, a Songwon tem novos estabilizantes de alta performance, enquanto a Everpring Middle East vai levara esta conferência mais uma perspectiva.

A sustentabilidade é um aspecto chave para o futuro da indústria de plásticos, e será o tema de uma comunicação sobre a composição e o desempenho de reciclados da Quality Circular Polymers (QCP), nova empresa holandesa no sector da reciclagem. A legislação europeia aponta para o aumento das taxas de reciclagem de materiais usados como as embalagens, os artigos eléctricos e os veículos. Por isso, este tópico está na ordem do dia.

Para mais informações sobre esta conferência, clicar AQUI.

Anúncios

Espumas plásticas com propriedades insecticidas

imageO Centro Tecnológico de Plásticos AIMPLAS, a Inesfly Corporation de Valência e a Universidade de Saragoça estão a desenvolver um processo de incorporação de substâncias insecticidas em espumas plásticas. O novo material permitirá fabricar solas de sandálias e tapetes que repelem os insectos transmissores de doenças como a malária, a febre dengue, a tripanossomíase americana (doença de Chagas) e a leishmaniose.

LEIA O RESTO DA NOTÍCIA

A indústria do PVC, os materiais renováveis e a legislação

A indústria de compostos de PVC tem vindo a ser afectada nos anos recentes por mudanças na regulamentação dos produtos químicos, a qual retirou do mercado alguns dos aditivos tradicionais, ao mesmo tempo que é posta ênfase nos aspectos renováveis, designadamente os plastificantes bio, e na reciclagem. As associações ligadas ao PVC estabeleceram compromissos voluntários para antecipar objectivos da legislação e isso colocou esta indústria numa posição de liderança em áreas como a reciclagem. Durante este ano, a Europa vai registar mais mudanças nas formulações, dado que os biocidas normalizados que são utilizados na maior parte das aplicações exteriores, tais como coberturas impermeáveis, terão que ser substituídos por produtos alternativos. Também se discute como ingredientes bio requerem biocidas para evitar a degradação.

A Applied Market Information (AMI) organizou um forum para debater estas mudanças: a 5ª Conferência Internacional ‘PVC Formulation 2013’, que decorre nos dias 12 a 14 de Março em Dusseldorf, Alemanha. A conferência junta a indústria global do PVC para passar em revista os novos aditivos, formulações, tecnologia, legislação e tendências do mercado. A Vinnolit apresentou uma panorâmica do mercado do PVC na Europa, seguida por uma perspectiva, apresentada pelo Sr. Ali Murat Ayar, sobre o mercado do PVC numa economia em crescimento: a da Turquia.

A Deceuninck, fabricante de perfis, colocou em evidência os principais avanços em matéria de actuação responsável em matéria de redução, reutilização e reciclagem. O Dr Ettore Nanni, CEO da Reagens referiu o projecto da empresa em matéria de uso sustentável de aditivos. A União Europeia tem vindo a legislar contra o uso de metais pesados e isto afectou a estabilização do PVC. A indústria teve que abandonar a estabilização eficaz baseada no chumbo e mudar para novos produtos tais como Ca/Zn.  A Baerlocher é uma das empresas que oferece sistemas de estabilização para o sector da construção. Os minerais naturais são úteis não só como cargas, mas também como ingredientes activos, tais como retardantes, como vai demonstrar a Minelco durante a conferência da AMI. Os fosfatos de éster têm efeitos retardantes e propriedades plastificantes e a Lanxess vai referir o potencial de utilização destes aditivos em compostos de PVC, em combinação com trióxido de antimónio, borato de zinco e cargas.

A situação actual do mercado dos plastificantes será apresentada pelo ECPI (European Council for Plasticisers and Intermediates). Há uma tendência crescente na indústria de plásticos para os materiais bio e naturais, especialmente os plastificantes bio. Nos EUA, o ‘Biopreferred programme’ da USDA destaca o "carbono renovável". A América do Sul tem vastas áreas para o desenvolvimento do cultivo e poderá tomar a liderança do fornecimento de bio-plastificantes. A Varteco Quimica Iberica, da Argentina vai apresentar uma panorâmica sobre este mercado, enquanto a PETROM – Petroquimica Mogi Das Cruzes, do Brasil, em parceria com a Proviron Functional Chemicals, vai apresentar novos plastificantes. A Hallstar também desenvolveu produtos naturais para este mercado. No entanto, há que dar resposta às dúvidas sobre os efeitos desta substituição nas formulações dos compostos de PVC. Serão estes materiais tão biodegradáveis que necessitem de microbiocidas para preservar o vinilo?

A Directiva Biocidas da UE vai afectar um ingrediente comum nesta indústria: os antimicrobianos OBPA largamente usados em aplicações exteriores vão ser banidos. A Akros Chemicals passará e revista as mudanças e as formulações alternativas, e alguns dos dados provisórios sobre as necessidades potenciais de biocidas resultantes do uso de materiais bio. A Sanitized, da Suiça, estudou a protecção antimicrobiana do PVC com plastificantes bio.

O PVC é largamente usado em embalagem alimentar, designadamente em filmes. A Polycomply Hoechst, empresa produtora e prestadora de serviços, vai fazer uma apresentação das normas actuais. A apresentação será completada com a perspectiva de um fabricante, a James Halstead/Polyflor.

Vários factores afectam a produção de compostos de PVC: a Chemsom vem examinar o efeito e a regulação da humidade. A Dow vai analisar os tópicos da estabilidade térmica e da resistência ao impacto. A Kaneka Belgium ocupar-se-á da possibilidade de produzir mais espumas com menos aditivos. A BASF vai apresentar aditivos de processamento baseados em ceras de PE. Também o tema da coloração do PVC está no programa da conferência, com a apresentação da Holland Colours.

Quais são os aditivo alternativos para a formulação de compostos de PVC? Quais os requisitos para os utilizadores finais? Há melhorias no processamento de PVC? Quais são as tendências do mercado? É realista incorporar reciclados? Estas são questões em aberto na conferência PVC Formulation 2013 conference.

"Bio-azulejos" são alternativa à cerâmica

image Até os azulejos podem ser baseados em materiais renováveis. Os investigadores dos Instituto Fraunhofer (Alemanha) vão apresentar na International Green Week (Berlim, 18 a 27 de Janeiro) novos compósitos bioestáveis que podem ser usados em arquitectura e design de interiores.
Os novos materiais consistem numa mistura de resina epoxi de óleo de linhaça, várias fibras naturais e terra de diatomácias, um material extraído de diatomácias fossilizadas. Os novos biomateriais para azulejos, como os que foram desenvolvidos pelo Instituto Fraunhofer de Mecânica de Materiais (IWM) de Halle (Alemanha), são amigos do ambiente, leves e – dependendo da fabricação e das propriedades do material – mais eficientes do ponto de vista dos recursos e da energia, comparativamente os materiais cerâmicos convencionais. "O compósito não é rígido como o vidro nem quebradiço como a epoxi convencional, mas flexível e dobrável" – diz Andreas Krombholz, cientista da divisão de compósitos naturais do IWM. Os novos compósitos abrem novas perspectivas à arquitectura. No processo de moldação, podem ser formatados com maior grau de liberdade, em quadrados, triângulos ou círculos, por exemplo. As combinações e cores podem ser a pedido.

Adicionando pigmentos fluorescentes à mistura, podem obter-se azulejos luminosos. Isto significa que podem ser usados, em exteriores e interiores, como sinalizadores luminosos em paredes ou pavimentos. Os bio-azulejos também podem ser instalados em cozinhas ou casas de banho, bem como em coberturas de solo interiores.

FRIMO e Huntsman desenvolvem compósitos de PU para o sector automóvel

A FRIMO e a Huntsman Polyurethanes assinaram uma acordo de cooperação para desenvolver compósitos de fibras para a indústria automóvel. A FRIMO tem um portefólio de ferramentas e equipamentos para processamento de poliuretano, bem como para tecnologia de processamento RTM (Resin Transfer Molding). A Hunstman é um produtor de sistemas de poliuretano com vários anos de experiência no sector automóvel. Recentemente, adquiriu uma fábrica piloto da FRIMO para o centro técnico de Everberg (Bélgica), especialmente projectara para sistemas de compostos de PU/fibras para o sector automóvel. A nova unidade expande as capacidades de desenvolvimento, ensaio e validação, visando uma nova gama de resinas-matriz para compósitos, comercializados sob a marca VITROX®.

API investe na produção e pesquisa de TPE e TPU

image A API Spa, um dos principais produtores de compostos termoplásticos (TPE, TPU e bioplásticos), anunciou investimentos significativos em equipamentos de produção e infra-estruturas de I&D. O plano de investimentos inclui uma nova linha de produção de poliuretano termoplástico (TPU), elevando o total de linhas para 5 e aumentando a capacidade em 25%, duas novas linhas de produção de elastómeros termoplásticos (TPE) e  bioplástico APINAT, aumentando a capacidade em 15%, um sistema integrado para embalagem e paletização automática, uma nova linha dedicada à produção de TPE e TPU micronizado, um novo sistema industrial de SCALE-UP, a renovação completa dos departamentos de amostrar e de produção de masterbatches e ainda novos laboratórios de Investigação e Desenvolvimento.

Cabopol: compostos biodegradáveis com tecnologia Coperion

imageA Cabopol (Porto de Mós, Portugal) iniciou a produção do BIOMIND, um novo composto termoplástico biodegradável destinado à produção de artigos domésticos descartáveis, sacos para lixo, embalagens alimentares, sacos de compras, filmes agrícolas e muitas outras aplicações de uso doméstico, industrial e agrícola. Os compostos BIOMIND serão apresentados na K 2010. LEIA MAIS