Embalcer duplica capacidade de extrusão de cinta PET

A Embalcer, único fabricante português de cintas plásticas, investiu 3 milhões de euros numa nova linha de extrusão de cinta de poliéster (PET), reforçando a sua posição como um dos maiores produtores europeus deste produto.
O investimento permite à Embalcer duplicar a sua capacidade de produção, para reforçar a capacidade de resposta com prazos de entrega mais curtos e lançar novas referências e produtos para substituir a cinta de aço.
imageAs novas referências incluem cintas com larguras de 19, 25 e 32 mm (tensão até 1500 kg) para cargas médias/elevadas, para aplicações nas indústrias da madeira, cerâmica, tijolos e mosaicos, blocos e pavimentos, cartão canelado, papel, e perfis de alumínio, entre outras.
A Embalcer tem uma posição consolidada como parceiro estratégico na área da embalagem, fornecendo soluções de cintagem completas (cinta, equipamento e serviço), e outras soluções de fim-de-linha para todo o tipo de indústrias.
A Embalcer participa como expositora na feira INTERPACK no próximo mês de maio.

Anúncios

EUROMAP: Recomendações e Etiqueta Energética

image_thumbO acordo alargado de um vasto grupo de construtores de máquinas de injecção permitiu desenvolver as normas de medição energética EUROMAP 60.1 e EUROMAP 60.2 para este tipo de máquinas. A norma EUROMAP 60.1 (clicar para ler) fornece uma panorâmica inicial do consumo de energia relacionado com a máquina; a norma EUROMAP 60.2 também permite considerar aplicações complexas e específicas do utilizador e compará-las em relação com o produto. Com estas normas para medição do consumo específico de energia, os fabricantes têm uma responsabilidade acrescida: a transparência exigida pelas normas exige que desenvolvam tecnologias cada vez mais eficientes no que respeita ao uso da energia. A Etiqueta de Eficiência Energética da EUROMAP é uma etiqueta de uso voluntário com uma base técnica comum para comparação entre máquinas.
Também existem normas de medição de energia para máquinas de extrusão-sopro (EUROMAP 46 parte 1 e EUROMAP 46 parte 2) e estão em desenvolvimento normas similares para outras máquinas, como as de termoformagem.

Torninova apresenta linha de filme bolha de ar com 3250 mm de largura

image_thumb[1]A nova linha COEX BUBBLE™ vai ser demonstrada pela Torninova (Perugia, Itália) durante uma apresentação "open house" nos dias 29 a 31 de Janeiro. Com velocidade máxima de 135 m/min e produção de 1250 kg/h, esta nova linha tem um novo sistema patenteado de duplo sem-fim e produz filmes de bolha de ar com 10 camadas, incluindo camada barreira de poliamida.
De acordo com a Torninova, a nova linha de grandes dimensões tem capacidade para produzir filme bolha de ar de 30 g/m2 com 100% de reciclado. Matérias-primas com índices de fluidez muito diferentes podem ser misturadas, graças à nova tecnologia de duplo sem-fim. Outra funcionalidade é a nova bobinadora TRIPLEX, com recarga automática de tubo (core), com a capacidade para trabalhar sem tubo (coreless) e de mudar do modo ‘core’ para ‘coreless’ sem interromper o funcionamento. Os filmes bolha de ar, com grande diversidade de aplicações, podem ser coextrudidos e formados a altas velocidades, mantendo a resistência e a circularidade das bolhas. A nova linha COEX BUBBLE™ tem os rolos cast posicionados entre a saída da fieira e o rolo de formação.

A indústria do PVC, os materiais renováveis e a legislação

A indústria de compostos de PVC tem vindo a ser afectada nos anos recentes por mudanças na regulamentação dos produtos químicos, a qual retirou do mercado alguns dos aditivos tradicionais, ao mesmo tempo que é posta ênfase nos aspectos renováveis, designadamente os plastificantes bio, e na reciclagem. As associações ligadas ao PVC estabeleceram compromissos voluntários para antecipar objectivos da legislação e isso colocou esta indústria numa posição de liderança em áreas como a reciclagem. Durante este ano, a Europa vai registar mais mudanças nas formulações, dado que os biocidas normalizados que são utilizados na maior parte das aplicações exteriores, tais como coberturas impermeáveis, terão que ser substituídos por produtos alternativos. Também se discute como ingredientes bio requerem biocidas para evitar a degradação.

A Applied Market Information (AMI) organizou um forum para debater estas mudanças: a 5ª Conferência Internacional ‘PVC Formulation 2013’, que decorre nos dias 12 a 14 de Março em Dusseldorf, Alemanha. A conferência junta a indústria global do PVC para passar em revista os novos aditivos, formulações, tecnologia, legislação e tendências do mercado. A Vinnolit apresentou uma panorâmica do mercado do PVC na Europa, seguida por uma perspectiva, apresentada pelo Sr. Ali Murat Ayar, sobre o mercado do PVC numa economia em crescimento: a da Turquia.

A Deceuninck, fabricante de perfis, colocou em evidência os principais avanços em matéria de actuação responsável em matéria de redução, reutilização e reciclagem. O Dr Ettore Nanni, CEO da Reagens referiu o projecto da empresa em matéria de uso sustentável de aditivos. A União Europeia tem vindo a legislar contra o uso de metais pesados e isto afectou a estabilização do PVC. A indústria teve que abandonar a estabilização eficaz baseada no chumbo e mudar para novos produtos tais como Ca/Zn.  A Baerlocher é uma das empresas que oferece sistemas de estabilização para o sector da construção. Os minerais naturais são úteis não só como cargas, mas também como ingredientes activos, tais como retardantes, como vai demonstrar a Minelco durante a conferência da AMI. Os fosfatos de éster têm efeitos retardantes e propriedades plastificantes e a Lanxess vai referir o potencial de utilização destes aditivos em compostos de PVC, em combinação com trióxido de antimónio, borato de zinco e cargas.

A situação actual do mercado dos plastificantes será apresentada pelo ECPI (European Council for Plasticisers and Intermediates). Há uma tendência crescente na indústria de plásticos para os materiais bio e naturais, especialmente os plastificantes bio. Nos EUA, o ‘Biopreferred programme’ da USDA destaca o "carbono renovável". A América do Sul tem vastas áreas para o desenvolvimento do cultivo e poderá tomar a liderança do fornecimento de bio-plastificantes. A Varteco Quimica Iberica, da Argentina vai apresentar uma panorâmica sobre este mercado, enquanto a PETROM – Petroquimica Mogi Das Cruzes, do Brasil, em parceria com a Proviron Functional Chemicals, vai apresentar novos plastificantes. A Hallstar também desenvolveu produtos naturais para este mercado. No entanto, há que dar resposta às dúvidas sobre os efeitos desta substituição nas formulações dos compostos de PVC. Serão estes materiais tão biodegradáveis que necessitem de microbiocidas para preservar o vinilo?

A Directiva Biocidas da UE vai afectar um ingrediente comum nesta indústria: os antimicrobianos OBPA largamente usados em aplicações exteriores vão ser banidos. A Akros Chemicals passará e revista as mudanças e as formulações alternativas, e alguns dos dados provisórios sobre as necessidades potenciais de biocidas resultantes do uso de materiais bio. A Sanitized, da Suiça, estudou a protecção antimicrobiana do PVC com plastificantes bio.

O PVC é largamente usado em embalagem alimentar, designadamente em filmes. A Polycomply Hoechst, empresa produtora e prestadora de serviços, vai fazer uma apresentação das normas actuais. A apresentação será completada com a perspectiva de um fabricante, a James Halstead/Polyflor.

Vários factores afectam a produção de compostos de PVC: a Chemsom vem examinar o efeito e a regulação da humidade. A Dow vai analisar os tópicos da estabilidade térmica e da resistência ao impacto. A Kaneka Belgium ocupar-se-á da possibilidade de produzir mais espumas com menos aditivos. A BASF vai apresentar aditivos de processamento baseados em ceras de PE. Também o tema da coloração do PVC está no programa da conferência, com a apresentação da Holland Colours.

Quais são os aditivo alternativos para a formulação de compostos de PVC? Quais os requisitos para os utilizadores finais? Há melhorias no processamento de PVC? Quais são as tendências do mercado? É realista incorporar reciclados? Estas são questões em aberto na conferência PVC Formulation 2013 conference.

Onex vai adquirir KraussMaffei

A Onex Corporation, um fundo de investimento privado norte-americano, assinou o acordo para a aquisição do grupo KraussMaffei, pelo valor de 568 milhões de euros, assumindo a posição da Madison Capital, que detém o capital do grupo alemão desde 2006. A aquisição deverá concretizar-se em Março de 2013 e está sujeita às habituais condições e aprovações pelas autoridades da concorrência.
O grupo KraussMaffei é o primeiro investimento da Onex Partners III na Europa. Em 2012, a KraussMaffei deu passos bem sucedidos no reforço das suas principais áreas de negócio e na expansão internacional, especialmente nos países BRIC e na Ásia. O grupo KraussMaffei é um dos principais fornecedores mundiais de equipamentos e sistemas de injecção, reacção e extrusão, sob as marcas KraussMaffei, KraussMaffei Berstorff e Netstal brands, com reputação sólida nos sectores automóvel, embalagem, artigos médicos, artigos eléctricos e electrónicos e aplicações domésticas. Emprega actualmente cerca de 4000 pessoas e conta com uma rede de 30 subsidiárias, 10 fábricas, e 570 parceiros de vendas e serviços.

A Onex é um dos mais antigos e bem sucedidos fundos de investimento da América do Norte. Gere cerca de 14 mil milhões de dólares, dos quais cerca de 9 mil milhões são capital de terceiros. As empresas participadas pela Onex totalizam activos de 39 mil milhões de dólares, geram receitas de 34 mil milhões de dólares e empregam cerca de 235 mil pessoas em várias partes do mundo.
A Onex adquiriu a Husky International Ltd em Dezembro de 2007 por 622 milhões de dólares e vendeu a empresa em Junho de 2011 por 2,1 mil milhões de dólares.

WPC com crescimento anual de 20%

image Os compostos de plástico com fibras naturais (WPC) estão a aumentar a nível mundial. Os perfis de pavimento (decks) em WPC registam taxas de crescimento anual na ordem dos 20 %  e estão entre os segmentos com maior crescimento na indústria de plásticos. Os factores decisivos vão para além da sustentabilidade (elevada proporção de matérias-primas renováveis) e estendem-se às vantagens técnicas dos novos materiais. A indústria da construção continua a encontrar novas aplicações para estes compostos. A Gruber Extrusion (Pettenbach, Áustria) reivindica a posição de líder no desenvolvimento de produtos inovadores neste campo.

Soluções WPC/BPC

"Prevemos a continujação do crescimento dos produtos WPC muito em breve. A incrível divesidade e extensão da gama de produtos – tais como os sistemas de construção inovadores ou os painéis para paredes – dão a este material um enorme potencial" – afirma Richard Füsslberger, CEO da Gruber Extrusion. A empresa austríaca posiciona-se sobretudo como parceiro de contacto para as novas soluções que combinam WPC (Wood Plastic Composite) e BPC (Bio Plastic Composite). Os compostos com fibras naturais são cada vez mais importantes num amplo leque de indústrias não só pelo argumento da sustentabilidade e da economia de recursos. O factor decisivo está nas carcterísticas técnicas e este material é – consoante a formulação – mais resistente e durável que a madeira. As propriedades do produto – sem pré-tratamento, sem pintura, resistência ao deslizamento, resistência à fractura, fácil de manter – propiciam a conquista de mercado em aplicações exteriores. O desenvolvimento contínuo, como é o caso da produção de perfis de WPC com estrutura alveolar ou da produção de WPC para lápis, exemplificam o potencial de expansão e diversificação das aplicações.

EDI adquiriu Premier Dies

Os fabricantes de fieiras planas de Chippewa Falls (Wisconsin, EUA) juntaram forças. A Extrusion Dies Industries LLC, especialista em fileiras planas e fieiras para extrusão revestimento, adquiriu a Premier Dies Corp., especialista em fieiras de ranhura para extrusão revestimento, fieiras para filme cast e chapa, para filme soprado, distribuidores para coextrusão e fieiras para produção de compostos e peletização.
"A combinação da distribuição global da EDI e da tecnologia da Premier vai ajudar a empresa a ganhar novos negócios nos mercados actuais e nos mercados emergentes" – disse Gary Edwards, CEO da EDI.