Placard – Bioplastificante para PVC

imageO projecto Placard, que envolve o desenvolvimento de um plastificante de origem "bio" para a formulações de PVC destinadas a aplicações no sector da construção, apresentou resultados nos dias 8 e 9 de Julho numa sessão realizada na sede da EuPC. O novo plastificante
é produzido pela modificação química do cardanol, um óleo amarelo de grau industrial obtido pela destilação sob vácuo de casca de castanha de caju. A matéria-prima de base é um subproduto, pelo que esta nova aplicação não afecta os recursos alimentares. A produção piloto do plastificante Placard foi levada a cabo nas instalações da Serichim e os ensaios forma realizados pela Universidade de Salento, em comparação com outros plastificantes com e sem ftalatos. Os plastificantes Placard revelaram eficiência plastificante superior à dos plastificantes DEHP e DOTP, antevendo-se economias de material. Apresentam também vantagem no que toca processamento e economia de energia.
O projecto prossegue com a investigação de características como a facilidade de reciclagem. O projecto Placard é liderado pela Kommi. Para mais informação sobre o projecto, clicar no logótipo acima.

Anúncios

Tendências do mercado dos filmes agrícolas

O mercado europeu  de filme agrícola registou cresceu na última década, atingindo meio milhão de toneladas e 2013, segundo o relatório Agricultural Film Market in Europe 2014 [clicar para mais informação], recentemente publicado pela AMI Consulting. A Espanha e a Itália são os maiores mercados e absorvem cerca de 40% da procura, induzida sobretudo pela horticultura intensiva que utiliza grandes quantidades de filmes para estufas e cobertura de solos. Em contraste, a Europa do norte, com vastas áreas de terrenos relvados, é grande procura de forragens e por isso tem um consumo ais significativo de filmes de silagem, quer em folha, quer em envolvimento estirável.

imageO mercado do filme de silagem deverá crescer pelo menos 1% nos próximos cinco anos. Este crescimento será induzido por factores como o aumento da produção de biomassa, a procura de forragens de qualidade, a redução de perdas, o aumento do número de vacas leiteiras, a melhoria da alimentação animal, o aumento da alimentação de cavalos com forragem e a generalização do embalamento e envolvimento.
O consumo de filmes de cobertura tradicionais deverá descer em quantidade durante os próximos cinco anos, em resultado da maturidade relativa deste mercado, da redução das áreas de cultivo e da necessidade de redução dos resíduos de plástico (por redução da espessura ou pelo uso de filmes biodegradáveis).
As tendências do mercado para os filmes de estufas são similares às dos filmes de cobertura de solos, até porque os dois são cada vez mais usados de forma combinada. O mercado europeu atingiu a maturidade e os filmes para uma época estão a ser substituídos por filmes que duram até 5 anos, induzindo uma tendência de descida que se deverá manter nos próximos cinco anos.
Cada vez mais, o factor primordial é o valor, em vez do volume. Para aumentar a quota num mercado sobre-fornecido, os fornecedores de filmes procuram desenvolver filmes multicamada mais finos e com características acrescidas e adaptadas aos clientes, ao mesmo tempo que procuram oportunidades para aquisições de consolidação. Entre os casos recentes estão a aquisição da Hyplast e da Biofol Film pela RKW, a aquisição do negócio de filmes industriais da ITW Mima pelo Carlyle Group, a aquisição do grupo espanhol TPM pela Morera & Valejo e a aquisição da Unterland pelo grupo Britton, agora designado Coveris.

A relevância do filme agrícola

Para alimentar uma população global que deverá atingir os 9 mil milhões de pessoas em 2050, é necessário eliminar o desperdício de alimentos, melhorar a distribuição e aumentar a produção de alimentos. A agricultura enfrenta desafios devido à alteração das tendências económicas e ambientais, incluindo  as mudanças climáticas, a expansão dos biocombustíveis, a desaceleração dos rendimentos agrícolas, o aumento da procura de carne e do consumo calórico por parte de uma classe média ascendente. Estima-se que em 2050, cerca de 70% da população global viva em cidades, comparativamente aos 50% actuais.
Embora o crescimento populacional seja marginal na Europa, a agricultura europeia continuará a desempenhar um papel relevante na produção alimentar mundial, ao meso tempo que continuará a lutar pela subsistência face à disputa pelo uso da terra. O sector agrícola vê-se forçado a produzir mais com qualidade mais elevada em menores áreas de terra, em menos tempo, com menos recursos e gerando menos resíduos. Prolongar a estação de crescimento e aumentar os rendimentos por hectare têm sido e continuarão a ser os factores da procura de filmes agrícolas. Os filmes plásticos protegem as colheitas e têm implicações directas na qualidade das mesmas. Os filmes contribuem para a eficiência agrícola para a redução do consumo de agroquímicos, água e energia.

Para  além da actividade de consultoria na área dos filmes agrícolas, a AMI organiza a conferência internacional anual para a indústria do filme agrícola. A próxima Agricultural Film Conference realizar-se-á em Barcelona, Espanha, nos dias 15 a 17 de Setembro. Para mais informação, contactar Jenny Skinner (clicar para enviar email).

Procura global de PE vai aumentar 3,7% p.a.

imageA procura global de polietileno deverá crescer 3,7% por ano entre 2013 e 2018, um pouco mais do que no período entre 2013 e 2013, indica um relatório recente da empresa consultora GlobalData.

O relatório Global Polyethylene Industry – Emerging Markets in Asia-Pacific to Drive Modest Growth indica que este crescimento acima do histórico vai ocorrer nos EUA e na Europa, principalmente na Rússia. Os EUA terão  um crescimento de 2,4% por ano até 2018, em comparação com os 0,7% do período 2003-2013. Na Europa, incluindo a Rússia, o crescimento será de 2,8% por ano, praticamente o triplo da década anterior.
A região Ásia registará uma taxa de crescimento médio anual superior – 4,8% – , mas abaixo dos 6% registados na década anterior, reflectindo a desaceleração do crescimento.

Ler o resto da notícia

PET: mais capacidade na Europa

Em 2013, a procura de PET na Europa excedeu a capacidade instalada em 350 mil toneladas. Segundo a GSI – Global Service International, a situação deverá inverter-se a partir de 2015 com o arranque de novas capacidades de produção: mais 640 mil t/a na Europa e 1640 mil t/a fora da Europa. Entretanto, a Europa manter-se-á como principal importadora de PET (550 mil t em 2013 e previsão de 750 mil t em 2014) e a Índia deverá afirmar-se como principal exportadora para a Europa.
Os aumentos de capacidade vão agravar a situação de sobrecapacidade global, estimada actualmente em 6 milhões de t, o que significa que a indústria produtora de PET terá que lidar com a redução dos preços do PET e com uma nova vaga de "consolidação" no sector. A confirmar-se a pressão no sentido da redução dos preços, reduzir-se-á a diferença entre o PET virgem e o PET reciclado (rPET) e o bioPET perderá competitividade.

RecyClass™ – uma escala para classificar a reciclabilidade

O design actual dos produtos plásticos dificulta as novas metas europeias de reciclagem, diz a associação Plastics Recyclers Europe. A reciclagem de embalagens de plástico não começa na recolha mas no design. O design de embalagem actual está sobretudo focado na maximização do desempenho. O design despreocupado conduz frequentemente ao esvaziamento incompleto das embalagens e anda se utiliza uma grande variedade de combinações de polímeros/materiais que são incompatíveis com um processo de reciclagem eficiente.
O novo desafio deverá traduzir-se em considerar a reciclabilidade como um requerimento em pé de igualdade como outros critérios de desempenho. Isto irá contribuir para desviar uma quantidade importante de plásticos dos aterros e da incineração, encaminhando-as para a reciclagem, que está num patamar acima da hierarquia dos resíduos.

A Plastics Recyclers Europe considerar que a introdução de um sistema de classificação irá ajudar os designers a avaliar as suas criações sob o ponto de vista da reciclabilidade e a escolher as melhores opções para melhorar a sua classificação.

RecyClass™ é uma abordagem de mercado comum baseada nas Design for Recycling Guidelines. Irá oferecer um método fácil para determinar a reciclabilidade de qualquer embalagem de plástico, com base numa escala de A a G (sete classes comparáveis com as classes europeias de eficiência energética).

“Começámos a trabalhar neste projecto há mutos meses. Nesta etapa, o primeiro projecto do nosso modelo está a ser testado em vários institutos técnicos, em vários países europeus” – refere Paolo Glerean, que lidera a task force “packaging design” da PRE. “O nosso objectivo é apresentar a ferramenta RecyClass™ num evento especial durante a Interpack em Duesseldorf em Maio de 2014”.

A indústria do PVC, os materiais renováveis e a legislação

A indústria de compostos de PVC tem vindo a ser afectada nos anos recentes por mudanças na regulamentação dos produtos químicos, a qual retirou do mercado alguns dos aditivos tradicionais, ao mesmo tempo que é posta ênfase nos aspectos renováveis, designadamente os plastificantes bio, e na reciclagem. As associações ligadas ao PVC estabeleceram compromissos voluntários para antecipar objectivos da legislação e isso colocou esta indústria numa posição de liderança em áreas como a reciclagem. Durante este ano, a Europa vai registar mais mudanças nas formulações, dado que os biocidas normalizados que são utilizados na maior parte das aplicações exteriores, tais como coberturas impermeáveis, terão que ser substituídos por produtos alternativos. Também se discute como ingredientes bio requerem biocidas para evitar a degradação.

A Applied Market Information (AMI) organizou um forum para debater estas mudanças: a 5ª Conferência Internacional ‘PVC Formulation 2013’, que decorre nos dias 12 a 14 de Março em Dusseldorf, Alemanha. A conferência junta a indústria global do PVC para passar em revista os novos aditivos, formulações, tecnologia, legislação e tendências do mercado. A Vinnolit apresentou uma panorâmica do mercado do PVC na Europa, seguida por uma perspectiva, apresentada pelo Sr. Ali Murat Ayar, sobre o mercado do PVC numa economia em crescimento: a da Turquia.

A Deceuninck, fabricante de perfis, colocou em evidência os principais avanços em matéria de actuação responsável em matéria de redução, reutilização e reciclagem. O Dr Ettore Nanni, CEO da Reagens referiu o projecto da empresa em matéria de uso sustentável de aditivos. A União Europeia tem vindo a legislar contra o uso de metais pesados e isto afectou a estabilização do PVC. A indústria teve que abandonar a estabilização eficaz baseada no chumbo e mudar para novos produtos tais como Ca/Zn.  A Baerlocher é uma das empresas que oferece sistemas de estabilização para o sector da construção. Os minerais naturais são úteis não só como cargas, mas também como ingredientes activos, tais como retardantes, como vai demonstrar a Minelco durante a conferência da AMI. Os fosfatos de éster têm efeitos retardantes e propriedades plastificantes e a Lanxess vai referir o potencial de utilização destes aditivos em compostos de PVC, em combinação com trióxido de antimónio, borato de zinco e cargas.

A situação actual do mercado dos plastificantes será apresentada pelo ECPI (European Council for Plasticisers and Intermediates). Há uma tendência crescente na indústria de plásticos para os materiais bio e naturais, especialmente os plastificantes bio. Nos EUA, o ‘Biopreferred programme’ da USDA destaca o "carbono renovável". A América do Sul tem vastas áreas para o desenvolvimento do cultivo e poderá tomar a liderança do fornecimento de bio-plastificantes. A Varteco Quimica Iberica, da Argentina vai apresentar uma panorâmica sobre este mercado, enquanto a PETROM – Petroquimica Mogi Das Cruzes, do Brasil, em parceria com a Proviron Functional Chemicals, vai apresentar novos plastificantes. A Hallstar também desenvolveu produtos naturais para este mercado. No entanto, há que dar resposta às dúvidas sobre os efeitos desta substituição nas formulações dos compostos de PVC. Serão estes materiais tão biodegradáveis que necessitem de microbiocidas para preservar o vinilo?

A Directiva Biocidas da UE vai afectar um ingrediente comum nesta indústria: os antimicrobianos OBPA largamente usados em aplicações exteriores vão ser banidos. A Akros Chemicals passará e revista as mudanças e as formulações alternativas, e alguns dos dados provisórios sobre as necessidades potenciais de biocidas resultantes do uso de materiais bio. A Sanitized, da Suiça, estudou a protecção antimicrobiana do PVC com plastificantes bio.

O PVC é largamente usado em embalagem alimentar, designadamente em filmes. A Polycomply Hoechst, empresa produtora e prestadora de serviços, vai fazer uma apresentação das normas actuais. A apresentação será completada com a perspectiva de um fabricante, a James Halstead/Polyflor.

Vários factores afectam a produção de compostos de PVC: a Chemsom vem examinar o efeito e a regulação da humidade. A Dow vai analisar os tópicos da estabilidade térmica e da resistência ao impacto. A Kaneka Belgium ocupar-se-á da possibilidade de produzir mais espumas com menos aditivos. A BASF vai apresentar aditivos de processamento baseados em ceras de PE. Também o tema da coloração do PVC está no programa da conferência, com a apresentação da Holland Colours.

Quais são os aditivo alternativos para a formulação de compostos de PVC? Quais os requisitos para os utilizadores finais? Há melhorias no processamento de PVC? Quais são as tendências do mercado? É realista incorporar reciclados? Estas são questões em aberto na conferência PVC Formulation 2013 conference.

Novo livro: Estabilidade Térmica dos Polímeros

image Foi recentemente publicado o livro ‘Thermal Stability of Polymers’, de T.R. Crompton, editado pela Smithers Rapra (Reino Unido)

Nos anos mais recentes foram publicados numerosos textos de investigação sobre as alterações da estrutura e das propriedades físicas dos polímeros quando expostos a temperaturas diversas. Por exemplo, essas mudanças podem ocorrer durante a injecção, no processamento subsequente e mesmo na utilização do produto final quando exposto a temperaturas elevadas.
A estabilidade térmica é um parâmetro de grande importância que deve ser tido em conta na selecção de polímeros, quer a aplicação seja a construção, um a peça técnica ou uma embalagem alimentar que vai ser submetida a temperaturas elevadas.
Os mecanismos que explicam as referidas alterações são vários e é importante conhecê-los ao ponto de se poder prever as mudanças de estrutura e de características em função do tempo e da temperatura. O conhecimento dos mecanismos da degradação térmica ajudam a desenvolver materiais com melhor estabilidade térmica. Isto é particularmente importante para aplicações na área da engenharia e da construção aeroespacial.
O livro ‘Thermal Stability of Polymers’ passa em revista, em nove capítulos, a medida das propriedades dos principais tipos de polímeros actualmente utilizados. Várias técnicas são discutidas, incluindo a análise termogravimétrica, a calorimetria diferencial, a ressonância magnética infra-vermelha ou nuclear, a pirólise, a cromotografia gasosa e a espectrometria.
O livro destina-se aos produtores e investigadores de polímeros, bem como aos investigadores de aplicações finais. Obviamente, o livro é também especialmente útil para os estudantes de engenharia de polímeros.

Para ver o índice deste livro, clicar AQUI.
Para ver um capítulo,  clicar AQUI.